Arquivos de abril, 2010

Data: Monday, June 7 and Tuesday, June 8, 2010
Local: Palazzo Altieri, Via del Gesù, 49 – Rome
O Presidente do IBGT , Jorge Queiroz estará proferindo sua palestra no painel inicial no dia 07.06.2010, juntando-se a elite do mundo de recuperação e falência.

(Reuters) – The U.S. Securities and Exchange Commission is accusing Goldman Sachs Group Inc of committing fraud in a complicated transaction involving securities known as collateralized debt obligations.

The particular deal that Goldman entered into with Paulson and others was called ABACUS 2007-AC1.

Here’s how the deal worked, according to the SEC’s complaint:

1) Hedge fund manager John Paulson tells Goldman Sachs in late 2006 he wants to bet against risky subprime mortgages using derivatives. The risky mortgage bonds that Paulson wanted to short were essentially subprime home loans that had been repackaged into bonds. The bonds were rated “BBB,” meaning that as the home loans defaulted, these bonds would be among the first to feel the pain.

2) Goldman Sachs knows that German bank IKB would potentially buy the exposure that Paulson was looking to short. But IKB would only do so if the mortgage securities were selected by an outsider.

3) Goldman Sachs knows that not every asset manager would be willing to work with Paulson, according to the complaint. In January 2007, Goldman approaches ACA Management LLC, a unit of a bond insurer.

ACA agrees to be the manager in a deal, and to help select the securities for the deal with Paulson. In January and February 2007, Paulson and ACA work on the portfolio, coming to an agreement in late February.

Goldman never tells ACA or other investors that Paulson is shorting the securities, and ACA believes that Paulson in fact wanted to own some of the riskiest parts of the securities, according to the complaint.

4) Goldman puts together a deal known as a “synthetic collateralized debt obligation” designed to help IKB and Paulson get the exposure they want. IKB takes $150 million of the risk from subprime mortgage bonds in late April 2007. ABN Amro takes some $909 million of exposure as well, and buys protection on its exposure from ACA Management affiliate ACA Financial Guaranty Corp in May 2007.

Goldman’s marketing materials for the deal never mention Paulson’s having shorted more than $1 billion of securities. Goldman receives about $15 million in fees.

5) Months later, IKB loses almost all of its $150 million investment. In late 2007, ABN is acquired by a consortium of banks including Royal Bank of Scotland. In August 2008, RBS unwinds ABN’s position in ABACUS by paying Goldman $840.1 million. Most of that money goes to Paulson, who made about $1 billion total.

(Reporting by Dan Wilchins and Karen Brettell; Editing by Richard Chang)

Reuters – 16.04.2010

Goldman Sachs Group Inc was charged with fraud by the U.S. Securities and Exchange Commission over its marketing of a subprime mortgage product, igniting a battle between Wall Street’s most powerful bank and the nation’s top securities regulator.

The civil lawsuit is the biggest crisis in years for a company that faced criticism over its pay and business practices after emerging from the global financial meltdown as Wall Street’s most influential bank.

It may also make it more difficult for the industry to beat back calls for reform as lawmakers in Washington debate an overhaul of financial regulations.

Goldman called the lawsuit “completely unfounded,” adding, “We did not structure a portfolio that was designed to lose money.”

The lawsuit puts Goldman Chief Executive Lloyd Blankfein further on the defensive after he told the federal Financial Crisis Inquiry Commission in January that the bank packaged complex debt, while also betting against the debt, because clients had the appetite.

“We are not a fiduciary,” he said.

The case also involves John Paulson, a hedge fund investor whose firm Paulson & Co made billions of dollars by betting the nation’s housing market would crash. This included an estimated $1 billion from the transaction detailed in the lawsuit, which the SEC said cost other investors more than $1 billion. Paulson was not charged.

Fabrice Tourre, a Goldman vice president whom the SEC said was mainly responsible for creating the questionable mortgage product, known as ABACUS, was charged with fraud.

Goldman shares slid 12.8 percent on Friday, closing down $23.57 at $160.70 on the New York Stock Exchange. The decline wiped out more than $12 billion of market value, and trading volume topped 100 million shares, Reuters data show.

The news dragged down broad U.S. equity indexes, which fell more than 1 percent. The perceived risk of owning Goldman debt, as measured by credit default swaps, increased. Treasury prices rose as investors sought safe-haven government debt.

MORE SEVERE THAN EXPECTED

“These charges are far more severe than anyone had imagined,” and suggest Goldman teamed with “the leading short-seller in the industry to design a portfolio of securities that would crash,” said John Coffee, a securities law professor at Columbia Law School in New York.

“The greatest penalty for Goldman is not the financial damages — Goldman is enormously wealthy — but the reputational damage,” he said, adding that “it’s not impossible” to contemplate that the case could lead to criminal charges. Coffee spoke on Reuters Insider.

Goldman vowed to defend itself.

“The SEC’s charges are completely unfounded in law and fact,” it said. “We will vigorously contest them and defend the firm and its reputation.”

E-mails from former Washington Mutual Inc CEO Kerry Killinger read aloud during a congressional hearing this week illustrated clients’ concerns about working with Goldman.

In 2007, Killinger discussed hiring Goldman or another investment bank to help Washington Mutual find ways to reduce its credit risk or raise new capital, according to one of the e-mails, which Michigan Democratic Sen Carl Levin read during the hearing.

“I don’t trust Goldie on this,” Levin quoted one of Killinger’s e-mails as saying. “They are smart, but this is swimming with the sharks. They were shorting mortgages big-time while they were giving (Countrywide Financial Corp) advice.”

The SEC lawsuit announced on Friday concerns ABACUS, a synthetic collateralized debt obligation that hinged on the performance of subprime residential mortgage-backed securities, and which the regulator said Goldman structured and marketed.

According to the SEC, Goldman did not tell investors “vital information” about ABACUS, including that Paulson & Co was involved in choosing which securities would be part of the portfolio.

The SEC also alleged that Paulson took a short position against the CDO in a bet that its value would fall.

In a statement, Paulson & Co said it did buy credit protection from Goldman on securities issued in the ABACUS program, but did not market the product.

Tourre was not immediately available for comment.

Goldman had not disclosed that the SEC was considering a lawsuit but had known charges were possible and had urged the SEC not to file them, people familiar with the situation said on Friday. The sources requested anonymity because the probe was not public.

To better understand CDOs, the SEC in 2008 approached some hedge funds, including Paulson & Co, whose investment Paulo Pellegrini was among those to talk with the regulator.

By betting against subprime mortgage-related debt, Pellegrini helped Paulson’s firm earn an estimated $15 billion in 2007. Pellegrini last year left to start his own firm.

COMING OUT SWINGING

The lawsuit is a regulatory and public relations nightmare for Blankfein, who has spent 18 months fending off complaints that Goldman has been an unfair beneficiary of taxpayer bailouts of Wall Street.

Blankfein became chief executive less than a year before the product challenged by the SEC was created.

“This could be the beginning of a period where you have a regulatory cloud over Goldman Sachs, and perhaps even the entire investment banking industry,” said Hank Smith, chief investment officer at Haverford Trust Co in Philadelphia.

John Paulson is not related to Henry “Hank” Paulson, who was Blankfein’s predecessor as Goldman chief executive and later become U.S. Treasury secretary.

The SEC lawsuit represents an aggressive expansion of regulatory efforts to hold people and companies responsible for the nation’s financial crises.

It could help the regulator rehabilitate its reputation after missing other high-profile cases, including Bernard Madoff’s Ponzi scheme.

“The SEC has come out swinging,” said Cary Leahey, senior managing director of Decision Economics in New York.

Robert Khuzami, head of the SEC’s enforcement division, said John Paulson was not charged because it was Goldman that made misrepresentations to investors, not Paulson.

Still, Khuzami called Paulson’s firm “a hedge fund that had a particular interest in the securities performing poorly.”

MORE LAWSUITS TO COME?

It is unlikely that criminal charges will be brought, a person close to the matter said. Representatives for the Justice Department declined to comment.

Yet the lawsuit is widely expected to spur other lawsuits, and is “probably the first of several,” according to Doug Kass, president of hedge fund Seabreeze Partners Management.

“Regulators and plaintiffs’ lawyers are going to be looking at other deals, to what kind of conflicts Goldman has,” said Jacob Zamansky, a lawyer who represents investors in securities fraud lawsuits.

“I’ve been contacted by Goldman customers to bring lawsuits to recover their losses,” he added. “With the SEC bringing fraud charges it’s going to expose what’s behind the curtain.”

E-MAIL TRAIL

According to the SEC, Goldman marketing materials showed that a third party, ACA Management LLC, chose the securities underlying ABACUS, without revealing Paulson’s involvement.

The SEC complaint quotes extensively from internal e-mails and memos, noting that in early 2007 it had become difficult to market CDOs tied to mortgage-backed securities.

It quoted a January 23, 2007, e-mail from Tourre to a friend as saying: “The whole building is about to collapse anytime now … Only potential survivor, the fabulous Fab … standing in the middle of all these complex, highly leveraged, exotic trades he created without necessarily understanding all of the implications of those monstrosities!!!”

Another e-mail, to Tourre from the head of Goldman’s structured product correlation trading desk, complained: “The CDO biz is dead we don’t have a lot of time left.”

INDEPENDENCE MATTERS TO CLIENTS

Other communications detail the importance of hiring ACA.

The SEC said Goldman reached out to German bank IKB to buy securities that Paulson was selling, knowing it would buy only securities selected by an independent asset manager.

“We expect the strong brand-name of ACA as well as our market-leading position in synthetic CDOs of structured products to result in a successful offering,” a March 12, 2007, Goldman e-mail said.

IKB ultimately took on exposure to ABACUS, as did the Dutch bank ABN Amro Holding NV.

The German government ultimately bailed out IKB in the summer of 2007, in part because of the bank’s investments, while lenders that eventually bought much of ABN Amro were also subjected to their own government bailouts.

In a statement after U.S. markets closed, Goldman said it lost more than $90 million on the transaction, six times the $15 million fee it received, and provided “extensive disclosure” on the securities involved.

It also said it never represented to ACA Capital Management, which invested $951 million in the transaction, that Paulson was going to be a “long” investor, meaning that Paulson was betting the securities would gain in value.

Paulson & Co paid Goldman $15 million to structure and market the ABACUS CDO, which closed on April 26, 2007, the SEC said. Little more than nine months later, 99 percent of the portfolio had been downgraded, the SEC said.

Janet Tavakoli, president of Tavakoli Structured Finance Inc in Chicago and author of a book on synthetic CDOs, said it may have been common on Wall Street for hedge funds to play big roles in picking mortgage-backed securities for use in CDOs.

“Many investors were not aware of how disadvantaged they were by these CDO structures,” she said.

WASHINGTON IMPACT

The charges are expected to fuel anti-Wall Street sentiment on Capitol Hill where sweeping financial industry reforms are expected to soon arrive on the Senate floor for a vote.

A Democratic bill, strongly supported by President Barack Obama, would slap new restraints on major banks, likely curtailing their opportunities for profit and revenue growth.

Similar legislation was approved in the House of Representatives in December. Analysts believe a bill could be signed into law by Obama by mid-year.

“Banks were getting their mojo back, successfully fighting the regulatory reform bill,” said James Ellman, president of Seacliff Capital in San Francisco. “Clearly, such malfeasance could help get the bill to go through.”

Goldman in 2008 won a $5 billion investment from Warren Buffett’s Berkshire Hathaway Inc.

Last month, Buffett praised Goldman as a “very, very strong, well-run business,” and said of Blankfein, “You cannot find a better manager.”

Buffett had no immediate comment, his assistant Carrie Kizer said.

The SEC lawsuit was assigned to U.S. District Judge Barbara Jones, who was appointed to the bench in 1995 by President Bill Clinton. She presided over the 2005 criminal trial of former WorldCom Inc Chief Executive Bernard Ebbers over an $11 billion accounting fraud at the phone company.

The case is SEC v. Goldman Sachs & Co et al, U.S. District Court, Southern District of New York, No. 10-03229. (Reporting by Jennifer Ablan, Maria Aspan, Clare Baldwin, Karen Brettell, Jeffrey Cane, Elinor Comlay, Kevin Drawbaugh, Steve Eder, Ellen Freilich, Burton Frierson, David Gaffen, Joseph A. Giannone, Matthew Goldstein, Svea Herbst-Bayliss, Ed Krudy, Herb Lash, Grant McCool, Jeremy Pelofsky, Christian Plumb, Aaron Pressman, Leah Schnurr, Jonathan Spicer, Jonathan Stempel, Caroline Valetkevitch, Phil Wahba, Dan Wilchins, Rolfe Winkler, Karey Wutkowski and Rachelle Younglai; Editing by Robert MacMillan and John Wallace)

Reuters – April 18, 2010

Foi criada uma comissão pelo Senado Federal, formada por ilustres processualistas, com o propósito de elaborar um anteprojeto para a edição de um novo Código de Processo Civil (CPC). A primeira etapa dos trabalhos dessa comissão já foi concluída. Foram apresentadas algumas proposições que servirão de norte no desenvolvimento do anteprojeto.

Uma das proposições é a de “incluir na Parte Geral em parte própria à legitimidade para agir, um incidente de coletivização (nome provisório), referente à legitimação para as demandas de massa, com prevenção do juízo e suspensão das ações individuais”.

Não há dúvida. A ideia de unificar o julgamento de demandas que envolvem interesses coletivos, nas instâncias ordinárias, para evitar decisões conflitantes, é de todo louvável. Entretanto, alguns cuidados devem ser tomados.

O caminho mais seguro para a simplificação do processo, uma das diretrizes da reforma proposta, não passa pela criação de um novo incidente processual. Ao revés, inclina-se para extinção dos já existentes. A criação de novo incidente de coletivização, como proposto, com todo respeito às doutas opiniões em contrário, está em dissonância com o espírito que vem norteando a construção do novo código.

A criação de novo incidente processual deve ser evitada, na medida em que, ordinariamente, suscita novas quizilas processuais que acabam por criar embaraços ao procedimento, além de assoberbar os tribunais com recursos.

Não se pode esquecer, no tocante ao ponto, que já existe mecanismo legal, dentro do arcabouço legislativo processual vigente, apto a atender de forma satisfatória, as demandas envolvendo interesses coletivos. Afora os procedimentos disponíveis, dentro do sistema de controle concentrado, a ação cível pública é suficiente para dar solução aos litígios universais – embora seu procedimento deva ser atualizado à realidade da justiça.

É bem verdade que o sistema hoje em vigor não está imune à crítica. A mais comum condena a possibilidade de ocorrência de decisões conflitantes, no caso de demandas múltiplas. Para superar este inconveniente, todavia, em lugar de criar um novo incidente, bastaria aprimorar as regras que disciplinam a suspensão dos processos similares.

Ao se determinar a suspensão das demandas repetitivas, poder-se-ia escolher um ou mais processos, de preferência ações coletivas, de iniciativa do Ministério Público ou de associações de classe, com melhor representatividade ( v.g. Idec). A suspensão das causas similares poderia ser determinada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), em sede de conflito de competência – já há precedente a respeito, v.g. CC 107.932. Seria suficiente para tanto que o conceito legal de conexão de causas venha a ser alargado para abranger demandas repetitivas.

A escolha de mais de uma demanda coletiva deve ser, sempre que possível, a primeira opção. A diversidade de causas, tramitando sob o comando de diferentes magistrados, mais consentânea com nosso sistema processual, garante um maior contraditório sobre o tema, bem como facilita o acesso dos interessados à justiça.

Outro motivo: a experiência ensina que causas de valor econômico relevante, como normalmente o são as demandas coletivas, atraem, muitas vezes, ingerências indevidas sobre o magistrado que conduz o processo. A escolha de mais de um magistrado para lidar com demandas coletivas, nestas circunstâncias, certamente atenuaria os efeitos nocivos que esse tipo de interferência externa pode gerar no processamento e julgamento das causas.

Seria recomendável, ainda, que a escolha das demandas coletivas representativas da controvérsia recaísse sobre processos coletivos em trâmite em diferentes localidades, quando a causa versar sobre temas de abrangência nacional. A competência para julgamento de uma ação coletiva dessa natureza deve ser da comarca da capital . Evitam-se, assim, transtornos para os jurisdicionados (presume-se a capital lugar de mais fácil acesso) e se dá mais segurança jurídica ( o foro da capital, em regra, é melhor aparelhado). Seria também conveniente que esses processos tramitassem em varas especializadas (como, v.g., no Rio de Janeiro, as varas empresarias).

Em relação aos processos individuais, a concentração do processamento e julgamento de demanda coletiva poderá gerar algumas perplexidades. Pelo menos uma merece especial atenção. Se o processo coletivo vier a suspender todas as demandas sobre o mesmo tema, indistintamente, poderíamos nos deparar com a seguinte situação: o autor, que teve seu processo suspenso logo em seu início, fica obrigado a esperar por anos até o julgamento definitivo da causa coletiva. Retomado o prosseguimento do feito, o juiz verifica que o autor é parte ilegítima para causa, julgando, então, extinto o processo. O mesmo poderia acontecer em relação à prescrição, entre inúmeras outras hipóteses.

Isto é razoável? Será que, nestas hipóteses, estar-se-ia cumprindo a cláusula constitucional que assegura a todos os cidadãos um processo célere e eficaz? Lembro que nestes casos nenhum ganho, em termos de qualidade do serviço jurisdicional, será alcançado. Ao contrário. Haverá perda.

Os juízes terão que processar e julgar estas causas do mesmo modo que o fariam se enfrentassem o mérito, sob o enfoque das questões preliminares. Os tribunais, idem. O processo, por sua vez, demorará o dobro do tempo – processo coletivo mais processo individual.

Sugestões para superar, ou ao menos, minimizar o problema: processo coletivo deve ter tramitação prioritária; a suspensão do processo individual somente deve se dar após o despacho saneador; e ao juiz seria facultado conceder a antecipação de tutela (ressalvado o direito de recorrer). Espero, com estas ponderações e sugestões, ter contribuído para o enriquecimento dos debates.

José Roberto de Albuquerque Sampaio é advogado e mestre em direito processual pela UERJ.

Valor Economico – 29.03.2010

Celebrado com atraso, Harry Markopolus tentou inúmeras vezes alertar as autoridades sobre a pirâmide financeira de US$ 65 bilhões

Numa pequena cidade de Massachusetts, o americano Harry Markopolos, administrador de fundos, temia por sua vida. Durante três anos ele portou um revólver Smith & Wesson, procurou bombas em seu carro e evitou caminhar por ruas escuras e vazias.

Aficionado por matemática, Markopolos desvendou o segredo do maior farsante de Wall Street. Celebrado com atraso por ter soado o alarme e antes ignorado por todos, tentou inúmeras vezes alertar as autoridades americanas sobre a pirâmide financeira de US$ 65 bilhões erguida por Bernard Madoff, que implodiu no fim de 2008, causando prejuízos bilionários a instituições de caridade, fundos de hedge, pensionistas e astros de Hollywood.

“Madoff foi um predador consciente. Frequentava casamentos e funerais. Nos velórios, ele abraçava as viúvas e dizia, “tomarei conta de você”, e pouco depois liquidava com elas”, diz Markopolos. “Nas ocasiões sociais, ele se comportava como um caçador. Todos pensavam nele como o simpático tio Bernie.”

Visto como obsessivo equivocado até a confissão de Madoff, Markopolos passou a temer cada vez mais pela própria segurança. “Pense no que eles estavam fazendo”, diz Markopolos, que temia uma reação tanto da parte de Madoff quanto dos inofensivos fundos “feeder” (criados sob medida para alimentar a pirâmide), que transferiam ao investidor o dinheiro de seus fregueses. “Se ele não encontrasse motivos para me matar, pense nos fundos feeder. O que aconteceria com o estilo de vida desses administradores? Todos enfrentarão a ruína financeira, serão processados e, com sorte, muitos acabarão na cadeia. Até que ponto as pessoas estão dispostas a proteger seu padrão de vida?”

Dotado de uma compreensão instintiva dos números por trás de complexos derivativos financeiros, Markopolos percebeu algo errado já em 1999, quando seu chefe na Boston Rampart Investment Management pediu que ele desenvolvesse um produto capaz de reproduzir os impressionantes resultados obtidos por Madoff.

Em seu livro recém-publicado, No One Would Listen (Ninguém quis escutar, editora John Wiley & Sons, sem tradução no Brasil), Markopolos descreve como se esforçou para compreender como Madoff conseguia obter lucros de 1% a 2% mês após mês, mantendo-se em território positivo durante 96% do tempo. Durante meses, ele tentou reproduzir o funcionamento da estratégia professada por Madoff, usando uma cesta de ações do S&P 500 protegidas do risco por meio de opções na bolsa de derivativos de Chicago.

“A matemática não deixava dúvidas”, disse Markopolos ao Guardian, em entrevista concedida num bar irlandês de Manhattan. “A proporção entre risco e lucro era simplesmente a maior já vista na história.”

É fácil dizer isso depois que o esquema foi desmascarado. Mas Markopolos afirmou a mesma coisa durante anos ? não apenas uma vez, mas continuamente. Ele procurou a comissão de valores mobiliários (SEC) ainda em 2001, entrou em contato com políticos e tentou convencer jornalistas a escrever sobre Madoff, conseguindo que algumas revistas de negócios publicassem matérias céticas a respeito do caso. Numa jogada elaborada, em 2005 ele entregou à SEC (a comissão de valores mobiliários americana) um dossiê detalhado intitulado: o maior fundo de hedge do mundo é uma fraude. Por que ninguém reparou nisso?

“O principal problema foi a incompetência”, diz Markopolos, segundo o qual a equipe da SEC ? composta principalmente por advogados, e não por financistas ? não dispunha do conhecimento técnico necessário para acompanhar o raciocínio dele. Além disso, a fraude era impensável. “O esquema era simplesmente grande demais.”

Alto e magro, vestindo um impecável terno creme e uma camisa rosa, Markopolos, 53 anos, transmite uma impressão de credibilidade, apesar de haver em sua fala um grau de certeza que pode à vezes parecer incômodo. Pai de três meninos pequenos, ele foi criticado por sua obsessão e acusado de buscar fama pessoal, enquanto outros se perguntam se ele teria sido motivado por uma recompensa financeira, coisa que Markopolos nega.

Excêntrico. O Wall Street Journal, que recebeu o dossiê sobre Madoff e nada fez por dois anos, recentemente o descreveu como “um pouco perturbado”. “É claro que sou um pouco excêntrico”, reconhece Markopolos, que revela em seu livro ter em certo momento mantido ao alcance uma velha máscara de gás do exército para o caso de os investigadores da SEC invadirem sua casa com gás lacrimogêneo.

“Quando se está denunciando uma fraude desse porte, é preciso ser excêntrico. É necessário acreditar firmemente em seus valores centrais e estar disposto a arriscar tudo para fazer aquilo que é certo.”

Testemunhar diante de uma comissão do congresso, diz ele, foi uma experiência muito agradável, e Markopolos gosta do interesse manifestado por autores de roteiros cinematográficos na história do caso ? ele sugere que talvez Nicolas Cage possa interpretar o papel dele, como um “nerd durão”.

Ele desistiu da administração de fundos em 2004 para se dedicar integralmente à investigação de fraudes financeiras e foi presenteado no ano passado pela Sociedade dos Analistas de Valores Mobiliários de Boston.

Cumprindo uma sentença de 150 anos numa prisão federal da Carolina do Norte, Madoff levou a SEC a reexaminar seus procedimentos e implementar uma série de reformas. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

OESP 29.03.2010

O 5º ano de aniversário da promulgação do diploma recuperatório e falimentar brasileiro é um bom momento para fazer uma analise e reflexão quanto a real efetividade de sua operação e imbuir-nos de consciência e humildade para introduzirmos os aperfeiçoamentos necessários, tanto em sua operação como em seu conteúdo, focalizados no espírito do mesmo, para deixarmos um País mais desenvolvido e justo para as futuras gerações.

Este ainda novo estatuto jurídico representa um marco na evolução do Direito Falimentar, aposentando o antigo e ultrapassado Decreto-lei 7.661/45 (clique aqui) que vigeu em nosso país por mais de meio século.

A Lei de Recuperação e Falências (11.101/05 – clique aqui) introduziu o moderno conceito da segregação da sorte da empresa da do empresário. Até a promulgação desse novo diploma havia grande confusão entre as figuras do empresário (pessoa física) e da empresa (pessoa jurídica), o que desestimulava os credores a cooperar para a recuperação da empresa, ainda que viável.

Cabe lembrar que seu princípio balizador é a “continuidade dos negócios da empresa”, onde o novo diploma passou a enxergar e tratar a empresa como verdadeira célula social.

Como esperado, nesses primeiros cinco anos desde a sua introdução, encontramo-nos ainda no embriônico estagio de aprendizado quanto à operação do novo instituto juridico. Entendemos que com base na rica experiência dos primeiros cinco anos, o Brasil tem como introduzir as melhorias necessárias essenciais para tornar a operação da nova lei eficaz e produzir os resultados necessários esperados para contribuir para o seu desenvolvimento econômico-social.

Havendo vivido durante seis décadas sob o dinossaurico DL 7.661/45, com operadores de óbito de empresas – falencistas, comissários, síndicos –, a mera instauração de um novo marco regulatório introduzindo novas disposições, alinhadas às mais modernas legislações internacionais, com o fito central de preservar os negócios viáveis, gerar riquezas e manter os postos de trabalho, assim como de maximizar o valor dos ativos nos casos de falência, sabidamente não é suficiente para que se produzam os efeitos desejados pelos arquitetos do novo ordenamento concursal e pela Sociedade Brasileira.

Discorrerei aqui sobre os principais aspectos que muito dificultam ou impedem o êxito dos processos recuperatórios e falimentares.

1. Falta de entendimento da essência de uma reestruturação

O principal deles é exatamente o não entendimento, ou o entendimento equivocado, por parte de diversos atores – empresários, credores, trabalhadores, administradores, advogados, contadores, órgãos do judiciário, legisladores – de que a essência de uma reestruturação reside na viabilidade econômico-financeira do negócio, na capacidade técnica e gerencial de seus gestores, na sua estrutura de capital, sua capacidade de acesso a capitais, além da credibilidade e transparência interna e externa dos gestores.

Um aspecto contrastante observado no Colóquio de Magistrados de Recuperação Brasil-EUA realizado em São Paulo em 2007 é o de que nos EUA é comum o pedido voluntário de recuperação ou falência – a canadense Nortel acaba de entrar com pedido de autofalência no Brasil. Em nosso País, nos casos de falência, o pedido involuntário é predominante; em São Paulo, de 500 pedidos de falência apenas 1 é voluntário. No Brasil a empresa em crise ainda carrega o estigma de fracasso, morte. Recuperação e falência para o brasileiro significam derrota. É comum o empresário no Brasil deixar exaurir seu patrimônio até que não haja mais solução.

Deve-se agir para que esse estigma que recai sobre as empresas em dificuldades seja eliminado. Sem embargo, esse objetivo apenas será alcançado quando existir uma imediata investigação por fraude associada a todos os pedidos de recuperação e falência, e que os promotores de justiça deixem claro que eles irão concluir suas investigações prontamente caso haja suspeita de fraude. Que em havendo a fumaça do bom direito, o pressuposto seja o da boa fé, e não generalizar que haja suspeita em todo e qualquer pedido de recuperação e falência.

Os juízes, advogados, devedores, credores, trabalhadores brasileiros devem adaptar-se a nova realidade, atuando com os olhos de amanhã. Abandonar a mentalidade em que o protagonista é o processo e a resolução do conflito secundária – entender que a resolução do conflito é a solução; extinguir a cultura procrastinatória de alongar o processo o máximo possível com recursos e agravos para ganhar tempo, que tem efeitos letais sobre a recuperação e maximização de valor.

Nos países desenvolvidos apenas 10% dos casos vão para a mão dos juízes; grande massa de conflitos se encerra antes do processo.

Como observado no referido Colóquio, é vital fazer o público entender que o negócio pode merecer viver. No famoso caso da WorldCom, a direção foi substituída e a empresa recuperada em três anos – continua sendo a 2ª maior empresa de telecomunicações do mundo.

Nos EUA existem empresas também especializadas em investir em empresas em crise da mesma forma que em empresas saudáveis e os juízes têm de ter essa sensibilidade. Até o momento, os fundos de investimento privados entendem ser inviável investir e empresas em recuperação no Brasil pelo alto grau de risco, além de considerarem que existe ainda grande insegurança jurídica e grande morosidade nos processos recuperatórios.

Um renomado advogado manifestou em congresso internacional do IBGT (Instituto Brasileiro de Gestão e Turnaround) que os bancos deveriam exercer um papel mais ativo dando crédito a empresas em recuperação, o que não é permitido pelas regras existentes e pelo acordo da Basiléia – assim como não faz parte do core business de bancos comerciais. Além disso, não o fariam pelos mesmos motivos dos fundos de investimentos privados.

Para que a nova lei tenha êxito, é necessário que haja um processo de mudança, originado, em primeiro lugar, pelos advogados e outros profissionais que atuam na área de recuperação e falência no Brasil. Os juízos podem facilitar essa mudança ao estimular a negociação e desencorajar a mentalidade de litígio.

É vital entender que:

(i) leis não salvam empresas;

(ii) engenharias jurídicas não salvam empresas;

(iii) todos os profissionais de todos os órgãos, entidades e empresas que hoje atuam nessa área viveram e estudaram toda uma vida sob os ditames do DL 7.661/45;

(iv) por mais moderna que seja uma lei, se ela é operada pelos mesmos profissionais que conviveram durante toda sua carreira com essa lei ineficaz, levará algum tempo para que assimilem o espírito e as disposições prescritas pelo novo código concursal, fato essencial para que os objetivos para os quais foi desenhado sejam atingidos;

(v) artificialidade apenas desperdiça tempo e dinheiro bom em coisa que não funciona;

(vii) deve-se estar atento para os aproveitadores de plantão e evitá-los;

(viii) deve-se apurar como foram aprovados os balanços auditados nos últimos anos e eventuais irregularidades – pratica adotada nos países desenvolvidos – e apurar a eventual responsabilidade dos auditores;

(ix) só os profissionais da área de gestão e reabilitação, reconhecidamente experientes e sérios, que atuem com moralidade e verdade, e somente eles, podem analisar a viabilidade, estruturar, executar uma recuperação bem sucedida;

(x) a operação da recuperação é um processo multidisciplinar que demanda principalmente o apoio de especialistas de três diferentes áreas: gestão de crises, recuperação de empresas e analise de viabilidade; finanças e direito.

(xi) que o pilar central de sustentação e de sucesso de qualquer recuperação ou reestruturação é sua essência conforme descrito acima.

Com efeito, em razão da falta de colocar em prática esses preceitos, grande parte das recuperações judiciais e falências não têm atingido seu objetivo nesses primeiros cinco anos. Os planos de recuperação, em sua larga maioria, têm-se restrito a ampliação de prazos e deságios, além de serem mal concebidos. Isso se deve principalmente ao fato de serem elaborados por profissionais que não são da área.

Podemos citar como exemplo o tão alardeado, porém desastroso caso Varig – primeira recuperação dentro da nova lei, onde inclusive as gigantescas fraudes foram aparentemente deixadas de lado –, um verdadeiro ultraje! Mais recentemente tivemos a Variglog – empresa viável que conseguiram quebrar (sem contar a adoção de conhecida estrutura jurídica montada para que seu efetivo controle ficasse com uma empresa estrangeira); Vasp; Parmalat, onde nada foi feito para recuperar os bilhões desviados pela holding no Brasil; Avestruz Master; e uma incontável relação que se arrasta pelo Brasil afora como Babylandia, Élice e Vetorpel.

O setor de frigoríficos tem igualmente varias empresas em recuperação judicial e dívidas bilionárias – Independência, Arantes e outras –, sendo algumas pertencentes a parlamentares. Casos envolvendo particularmente os frigoríficos possuem uma série de peculiaridades bastante controvertidas, consideradas por alguns agentes de mercado como verdadeiras operações de “suprimes” brasileiras.

Vale lembrar as sábias palavras de Rachel Sztajn segundo a qual a escolha de uma das alternativas entre os institutos criados pela nova lei, “exige avaliação em que os custos a serem incorridos comparados com os benefícios esperados sejam o foco. A estratégia deveria levar em conta as perdas – individuais, coletivas e sociais – e os ganhos de forma a minimizar aquelas e amplificar estes. Também é importante evitar a sedução de esquemas assistencialistas os quais, no médio ou longo prazos, são ineficientes em função de uma indesejável transferência de renda.” (Rachel Sztajn, in Paulo F.C.Salles de Toledo e Carlos Henrique Abrão – coordenadores – p.414)

Bilhões desperdiçados ou perdidos com a ineficácia dos agentes envolvidos.

Um dos baluartes da lei introduzida em 2005 foi o de estabelecer um ambiente de maior segurança jurídica no Brasil, fato visto como positivo pela comunidade internacional, fundos de investimento e pelas instituições financeiras. O resultado desses primeiros cinco anos lamentavelmente frustrou a expectativas e caso não haja correção de rumo pode comprometer a confiança na lei como um todo.

2. Organização e preparação do Judiciário a nível nacional

Para que as recuperações e falências tenham êxito é fundamental que o Judiciário seja organizado a nível nacional, fato que ocorreu de uma forma mais efetiva em São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, ainda que haja um longo e árduo caminho a percorrer. É cediço que é essencial criar varas regionais especializadas exclusivamente em recuperação e falências.

Temos observado em Guarulhos e outras comarcas próximas a SP/Capital, inúmeros casos onde os ditames da lei 11.101 não estão sendo observados. O que dizer das milhares de comarcas distribuídas por todo o território nacional.

O Juiz é o principal órgão das Recuperações e Falências. É primordial que os eminentes magistrados e promotores que vierem a ser alocados nas futuras varas especializadas estejam devidamente preparados e treinados para o exercício de uma função de tamanha importância para o desenvolvimento do País e para o Estado de Bem Estar Nacional, que afeta a todos os seus duzentos milhões de brasileiros.

Essas varas especializadas necessitam ser criadas em tempo hábil e tratadas como iniciativas prioritárias para tornar a aplicação da nova lei mais eficaz, assim como evitar irregularidades como a que ocorreu com o Grupo Frigorífico Arantes de Ribeirão Preto/SP (R$ 1.6 bilhões de faturamento anual) que protocolizou seu pedido de recuperação de R$ 1.1 bilhão (logo após realizar uma operação de R$400 milhões no mercado de capitais) no meio da floresta amazônica no distante e minúsculo município de Nova Monte Verde/MT (com 8 mil habitantes, 750 km de Cuiabá rumo à alta floresta) onde só se consegue chegar de balsa e 186 km de estrada de terra – tão remoto que não possui juiz próprio.

Agora, para permitir que o Judiciário tenha êxito em nessa complexa tarefa, urge que o mesmo seja devidamente aparelhado para tal. Além disso, é crucial que o CPC – clique aqui (assim como o CPP – clique aqui), e seus mais de mil e duzentos artigos, seja revisado tempestivamente, vez que a burocracia dos infindáveis recursos atualmente existentes:

(i) permite a procrastinação dos processos indefinidamente;

(ii) imputando prejuízos incomensuráveis aos processos recuperatórios e falimentares;

(iii) colidindo frontalmente com o principio da celeridade disposto na lei de recuperação e falência e

(iv) tornando impossível que o Judiciário atinja esse objetivo,

(v) além de criar uma sobrecarga excessiva para os magistrados.

A empresa consiste de uma célula social formada por duas ou milhões de pessoas participantes de toda uma cadeia produtiva. É uma célula viva que em situações de crise não pode submeter-se a uma burocracia jurídica que a leve a morte. O legislador pátrio necessita entender que se trata de um caso de interesse nacional que demanda tratamento prioritário, pois toda a economia e bem estar social de um país depende da saúde dessas células. Por essa razão os poderes constituídos dos países desenvolvidos tratam esse tema com máxima prioridade.

O acima exposto é traduzido pelo estudo elaborado pelo Banco Mundial, que mostra a patente lentidão do processo de insolvências no Brasil que leva em média 10 anos enquanto a média em diversos países é de 3 anos.

Casos famosos como Sulfabril e Encol são bons exemplos, apesar de estarem ainda sujeitos aos ditames da legislação anterior que pouco mudou em relação a atual. A falência na lei nova “conserva instituto muito semelhante à falência da lei anterior”. (Sidnei Agostinho Beneti in Paiva, 2005, p.224)

No Fórum Internacional de Recuperação e Colóquio e Juízes Brasil-EUA realizado em 2007 foi possível observar alguns ensinamentos bastante importantes na fala dos eminentes magistrados dos dois países.

Apesar dos diplomas concursais do Brasil e EUA estarem alicerçadas em idêntico espírito, ou seja, o da preservação das empresas economicamente viáveis, são dispares no que tange a observação de aspectos relacionados à praticidade e celeridade judicial.

Enquanto no Brasil a recuperação e a falência são extremamente processualizadas, nos EUA são administralizadas, centradas na negociação e em tornar o processo o mais fluido possível – um sistema onde idealmente as partes decidem seus próprios desígnios.

Nos EUA a ênfase está na cooperação, comunicação, na mediação, no ganho do crescimento. Incentiva a mediação e que as próprias partes negociem uma solução. A título de exemplo, o eminente Juiz Robert Drain da Corte do Distrito Sul de Nova York destacou que no mega caso de recuperação judicial da empresa Delphi, que envolveu múltiplas jurisdições, havia dezenas de milhares de contestações. Sem embargo, em razão dos procedimentos de administração de contestações judiciais que demandam total exposição, mediação e prontas datas de audiência, apenas meia dúzia de processos foram decididos pelo juízo.

Explicou que existe igualmente grande ênfase na celeridade. O litígio ocorre em tempo real, sendo resolvido prontamente na medida em que surge e não litígio de autópsia. Demanda criatividade das partes envolvidas. Maior parte do trabalho ocorre fora do juízo para assegurar a continuidade da atividade da empresa: negociações; gestão de crise; elaboração do plano; valorização; precificação; alternativas; onde cortar custos e aumentar receitas; busca de novos recursos; reuniões entre especialistas em recuperação, finanças, direito e clientes.

Sob a ótica da corte americana existem fatores essenciais para proteger as empresas e a continuidade de negócios; um deles é a transparência do processo para todos participantes. Outro objetivo é o atendimento breve a todos; necessidade de rápida mobilização. A lentidão leva uma empresa que poderia ser salva a sucumbir.

Os juízes norte-americanos observaram que o principal desafio para se obter a efetividade do Código de Recuperação é estabelecer um contrato social entre as partes. O entendimento de que apesar das diferenças, deve haver um espírito de cooperação. Sem as partes cederem, a solução torna-se muito complicada.

Um dos ilustres magistrados brasileiros frisou que no Brasil temos por tradição um direito punitivo que vem desde as disciplinas que formam a grade do curso de direito. O papel do juiz americano é o de resolver controvérsias. Recuperação não se faz com base em litígio. Destacou também que enquanto no Brasil qualquer recurso interrompe o bom andamento do processo, fato extremamente grave, enquanto nada pára o processo recuperatório norte-americano. Pode-se concluir que a nova lei de recuperação brasileira demanda uma postura diametralmente oposta da forma jurídica que vimos tratando.

Um dos aspectos mais marcantes observados foi o de que nos EUA a corte de recuperação funciona 24 horas por dia, 365 dias por ano. Existem certas questões que surgem quase que imediatamente: relacionadas a trabalhadores, instalações, alimentação de animais, fornecimento de matéria prima.

Existe toda uma consciência, cultura, abrangente e dinâmico aparato jurídico e financeiro voltados para a manutenção da atividade produtiva como: audiências emergenciais até mesmo por conferencia telefônica; utilização de e-mail; informatização; internet; conceito do chamado “primeiro dia do processo”; da doutrina da necessidade; decisão provisória; mercado de créditos extraconcursais com garantia real; mercado secundário de compra de créditos; sistemática de maximização do preço de venda de ativos ou de todo o negócio.

Foi observado que o juízo nacional necessita exercer maior flexibilidade em observância ao espírito do novo diploma recuperatório legal e o princípio a equidade, prática esta, bastante sedimentada nos EUA. Um desses casos aplica-se a distribuição de ativos entre o universo de credores, não sendo necessário aguardar a decisão final de todas as impugnações ou fechar o quadro geral de credores. Não se pode prejudicar toda uma maioria em razão que questionamentos efetuados por uma minoria, em alguns casos até de má fé, cujas impugnações impõem um atraso forçado a todo o processo, causando grandes danos ao universo de credores ou pondo em risco a recuperação da empresa. O juízo pode trabalhar:

(a) com a estimativa do valor envolvido as impugnações para certos propósitos e a partir disso

(b) meramente estipular uma reserva, sem que todas as contestações sejam decididas judicialmente, ou seja, fazer uma provisão parcial para esses processos em andamento, mas sem penalizar a maioria, o universo de credores, retendo a totalidade dos valores ou ativos ou retardando a confirmação do plano recuperatório até que todas as impugnações sejam decididas.

O Brasil vive ainda o dilema do “quem manda mais”, o juízo universal da recuperação e falência, a justiça do trabalho ou a justiça tributária. Há ainda o grave problema da exigência da certidão negativa de impostos e o fato do fisco ficar fora do alcance da recuperação judicial. Nos EUA resta claro que o juízo da recuperação e falência é realmente universal e soberano sem qualquer conflito de competência entre diferentes justiças.

3. Organização e preparação dos Administradores Judiciais

Com a nova lei desapareceram as figuras do “comissário” que atuava na antiga concordata, e do síndico, que atuava no instituto da falência, criando-se uma nova figura, a do Administrador Judicial, que desempenha o papel de auxiliar de confiança do juiz, exercendo seu trabalho sob a fiscalização direta do mesmo e do Comitê de Credores durante todo o processo recuperatório judicial e falimentar.

As diferenças não estão adstritas à denominação da função, conforme aduz Campos Salles de Toledo (2005:47)

As diferenças entre aqueles e este não são apenas de rótulo, mas principalmente de funções. O critério de escolha também mudou, adequando-se às novas atribuições desse órgão. Assim é que o administrador judicial não mais será escolhido entre os principais credores.

A figura do Administrador Judicial, bem como suas atribuições e responsabilidades, vem disciplinadas no Capítulo I, Seção III, artigos 21 a 34 da Lei 11.101/05.

O Administrador Judicial designado pelo juiz é nomeado obrigatoriamente na sentença que decretará a falência (art. 99, IX) ou no deferimento do pedido de processamento da recuperação judicial (art. 52, I). Além de auxiliá-lo nos processos recuperatório e falimentar, representará os interesses dos credores na falência.

O mesmo artigo 21, de forma meramente exemplificativa, aduz que o administrador judicial deverá ser preferencialmente advogado, economista, administrador de empresas ou contador, ou pessoa jurídica especializada (declarado por termo o nome do responsável que conduzirá o processo da recuperação judicial). Ulhôa Coelho observa:

Ele deve ser profissional com condições técnicas e experiência para bem desempenhar as atribuições cometidas por lei. Note-se que o advogado não é, necessariamente, o profissional mais indicado para a função, visto que, muitas das atribuições do administrador judicial dependem, para seu bom desempenho, mais de conhecimento de administração de empresas, do que jurídicos. O ideal é a escolha recair sobre pessoa com conhecimentos ou experiência na administração de empresas do porte da devedora, e quando necessário, autorizar a contratação de advogado para assisti-lo ou à massa.

Écio Perin Junior (2005:174) entende que a expressão “preferencialmente” acaba restringindo a nomeação do profissional a essas profissões, configurando um erro do legislador, em especial, porque o engenheiro civil, por exemplo, exerce função multifacetada, sobrepondo-se em muitos casos às demais na administração empresarial.

Pesquisa realizada pela consultoria Heidrick & Struggles demonstra que 49% dos presidentes das maiores empresas brasileiras são formados em engenharia. (EXAME, 2005:20 a 26)

Cabe destacar que o novo diploma legal traz uma mudança quanto ao critério de escolha do Administrador Judicial. No antigo Decreto, a escolha recaía sobre os maiores credores.. (Art. 60, DL 7.661/45). Na nova Lei a escolha e nomeação do Administrador Judicial cabem ao Juiz, que indica um profissional de sua confiança.

Pode-se constatar a incursão de erros nos primeiros casos de Recuperação concedidos sob a égide da Nova Lei. No Estado de Santa Catarina, tem-se conhecimento de casos em que o Juiz autoriza a nomeação de profissional indicado pelos credores para o exercício da função de Administrador Judicial, o que contraria o disposto no artigo 21.

Tal decisão colide com a essência da Nova Lei que, antes de qualquer subserviência aos interesses de credores ou devedores, deve ater-se à isenção do profissional nomeado para a função de Administrador Judicial, que, além de idôneo, deve ser imparcial quanto aos interesses das partes envolvidas. Ecio Perin Junior (2005:169) adverte:

É preciso garantir que os operadores do direito se adaptem rapidamente às inovações introduzidas em sintonia com o espírito pragmático, voltado à maximização de resultados da Nova Legislação Falimentar. Quanto mais velozes essas mudanças, mais rápida será a colheita de benefícios pela sociedade brasileira.

O Administrador Judicial, nas legislações mais avançadas, não tutela simplesmente os interesses dos credores, como Nelson Abrão (1988:33) observa:

O bem jurídico considerado hoje como digno de proteção não é mais o puro interesse dos credores, apregoando-se a necessidade da salvaguarda dos interesses difusos, consistentes na manutenção dos postos de trabalho, na defesa dos direitos dos não controladores e dos fornecedores do chamado “capital de crédito” proveniente da coletividade por meio dos bancos, donde pode falar-se, não sem propriedade, que hodiernamente é o dinheiro da coletividade, portanto a poupança difusa, que sustenta tecnicamente a atividade empresária.

Écio Perin Junior reforça (2005: 173,174):

Diante da nova sistemática brasileira e da tendência mundial, é que a figura do administrador judicial não pode ser considerada caracterizadora da simples representação dos credores, uma vez que sua conotação é nitidamente econômica. A tarefa do Administrador Judicial, numa empresa em crise, consiste em aplicar sua atividade no reerguimento do ente produtivo enfraquecido, não se submetendo a qualquer influencia do devedor ou dos credores, agindo sob critérios próprios de convicção.

Ocorre que na prática, na grande maioria dos casos, os juízes têm adotado idêntico critério de seleção de Administradores Judiciais, ou seja, nomeando advogados de sua antiga relação de comissários e síndicos, em descompasso com o espírito do código concursal atual.

É importante entender que a figura do Administrador Judicial introduzida pelo novo diploma legal não foi uma simples mudança de nome para a mesma função, da mesma forma que a Recuperação Judicial não é sinônimo de Concordata; é tácita e taxativamente distinta das figuras do comissário e do síndico prescritas no decreto anterior.

O exercício da função de Administrador Judicial requer conhecimentos e experiência bem mais abrangentes e distintos que a dos antigos comissários e síndicos. Primordialmente é necessário entender o negócio e as operações da empresa em recuperação – não se trata de uma mera tarefa de burocracia jurídica –, para tal é necessário ter experiência gerencial, fato que não ocorre com os antigos comissários e síndicos.

A inobservância desse ditame disposto na nova lei tem prejudicado a grande maioria os processos recuperatórios.

Faz-se necessário definir um quadro de profissionais habilitados a desempenhar a função de Administrador Judicial e devidamente aprovados segundo critérios definidos claramente pelo Judiciário a nível estadual, consoante a nova Lei e que esse mesmo quadro fique à disposição dos juízes para seleção conforme a complexidade do caso.

Dado o curto espaço de tempo na lei de recuperação para propor e aprovar o plano, o papel do Administrador Judicial torna-se extremamente importante. Este é o órgão responsável pela contratação de profissionais, incluindo especialistas para apurar o valor do negócio; é o órgão que pode dar foco a todas as partes de uma forma objetiva para se chegar a uma solução de reestruturação e de negócios. É da mesma sorte, o órgão que o juiz pode pressionar/promover/proteger para executar o trabalho como bem frisou o eminente Juiz Robert Drain durante o Fórum em 2007, adicionou que o Juiz já tem sua árdua tarefa de julgar e moderar os litígios.

É igualmente importante observar que praticamente não se utilizou o importante recurso contido na lei atual que é a importante figura do Gestor Judicial, necessária em muitos casos. Nos casos em que a Assembléia Geral de Credores determinar o afastamento do devedor da gestão da empresa, a administração da empresa será conduzida por Gestor Judicial eleito em Assembleia de Credores. (Art. 65).

4. Comitê de Credores

Efetivamente a mais novel e importante deliberação do legislador foi a criação da Assembléia Geral de Credores (AGC), órgão máximo nos procedimentos concursais, e do Comitê de Credores, sendo que a AGC somente deve ser convocada para assuntos de grande relevância em razão dos elevados custos na realização da mesma. Sem duvida, as mais poderosas faculdades conferidas ao universo de credores, anteriormente restritas ao Juízo.

Dentre os novos dispositivos introduzidos pelo novo diploma falimentar, observamos que o Comitê de Credores tem lamentavelmente sido muito pouco utilizado a despeito de tratar-se de órgão imprescindível para o sucesso dos processos de recuperação e de falências. Fato alarmante pelas razões que passaremos a expor.

A título de exemplo podemos citar dois casos conhecidos, sendo o primeiro de irrefutável sucesso e o segundo de um imenso fracasso.

O primeiro trata da gigantesca e intrincada falência do escândalo do Banco Santos onde a AGC deliberou pela formação de um Comitê de Credores profissionalizado, fato que provou ser determinante que a Massa tenha hoje em caixa o expressivo valor na casa de R$ 600 milhões, um verdadeiro marco na história falimentar brasileira com rateio inicial já aprovado pelo Juízo. O total de ativos financeiros recuperados até dezembro de 2009 ascende a R$ 843 milhões que equivale a mais de 25% do passivo da Massa. Um fato inédito, principalmente considerando a grande quantidade de operações tóxicas e controversas realizadas pelo falido Banco. Criou-se um caso modelo.

De forma diametralmente oposta, temos o malfadado caso Varig, onde, entre outras questões, a não criação tempestiva do Comitê de Credores gerou um grande desequilíbrio nas funções dos órgãos envolvidos, impondo pesado ônus ao Juízo e ao administrador judicial sobrecarregando-os com atividades não inerentes aos seus ofícios, além de altamente complexos para seus limites e capacidades. Os resultados foram os piores possíveis.

Com efeito, é cediço que apenas o Comitê de Credores tem real legitimidade para proporcionar soluções ágeis para assuntos que afetam diretamente a comunhão de credores assim como para o sucesso da recuperação ou falência e conseqüente recuperação de seus créditos. De igual sorte, pode suscitar questionamentos relacionados aos atos de Administração Judicial consoante a eficiência idealizada pelo legislador, alinhando suas iniciativas a uma eficácia econômica pautada pela agilidade e maximização dos ganhos em cada situação, seja para a massa ou para os participantes de uma recuperação.

Só o Comitê de Credores dá a transparência, segurança, confiança, eficiência e celeridade desejada pelos credores. Sem a figura do Comitê, o sucesso da recuperação ou falência torna-se remoto. Além disso, os credores acabam, isoladamente, levando seus questionamentos ao juízo, apenas tumultuando e atrasando seu processamento, pois geram-se discussões infindáveis através de petições acostadas aos autos, vez que não representam a vontade da maioria dos credores.

É fato inconteste que ‘a vaca só engorda com o olho do dono’ e que nenhum órgão, por mais competente que seja, pode substituir a força, determinação e legitimidade que só os credores detêm coletivamente via Comitê.

Onde está então a origem, a essência, que causa a inibição dos credores em participar ativamente dos processos recuperatórios e falimentares através do Comitê de Credores e que deve ser sanada para permitir que o espírito do disposto na lei falimentar seja alcançado?

Nosso acompanhamento e análise realizados desde a entrada em vigor do novo diploma falimentar levaram-nos a identificar as origens dessa gravíssima disfunção sistêmica:

(i) falta de credibilidade e confiança do devedor em razão de atos praticados pré-pedido de recuperação;

(ii) tarde demais – devedor já tecnicamente falido no ato do pedido de recuperação;

(iii) insegurança jurídico-financeira – as intrincadas nuances ainda existentes na lei, controvérsias e conflitos de competência que ocorrem pós-pedido e até mesmo irregularidades jurídicas, administrativas e financeiras praticadas pelo devedor pré-pedido de homologação pelo Juízo, tais como falta de transparência, balanços maquiados, fraudes, ocultação e desvio de ativos, contribuíram para que os credores ficassem arredios a assumir qualquer risco adicional;

(iv) incidência de planos mal concebidos;

(v) observância de processos não conduzidos por experientes especialistas em gestão de crises e recuperação de empresas;

(vi) morosidade do processo recuperatório e falimentar em razão de medidas protelatórias tomadas por diferentes partes interessadas assim como a necessidade de atendimento às disposições impostas pelo Código de Processo Civil.

(vii) regulamentação e fiscalização do Banco Central, classificação de risco, convenção da Basiléia, entre outros que impõem restrições a concessão de novos créditos ao devedor;

(viii) deveres fiduciários dos credores junto aos correntistas e detentores de seus títulos;

(ix) receio de que eventuais prejuízos venham a ser indevidamente imputados e arbitrados contra seus membros pelo juízo responsável de forma monocrática;

(x) necessidade de arcar com todos os custos adicionais, inclusive assembleares e de remuneração de seus membros alocados ao Comitê de Credores Quirografários, contrário ao que ocorre nos países desenvolvidos onde o Comitê de Credores é remunerado pela recuperanda e pela falida. Existe ainda o fato de que nesses países o Comitê de Credores Quirografários pode efetuar contratação de profissionais para assessorá-lo. Esses profissionais e empresas são pagos pelo devedor ou pela massa falida, aspecto que a Lei de Recuperação e Falências necessita incorporar. Jurisprudência recente formada pelo TJ-SP pode representar uma esperança de aperfeiçoamento em nosso ordenamento concursal – define que trabalho sem remuneração (além de ser vedado pela Magna Carta) constitui apropriação indébita.

E ainda, não menos importante, apesar de fora da esfera de atuação e controle dos órgãos concursais e cíveis, e lamentavelmente, temos a vexaminosa impunidade e corrupção sistêmica nacional relacionada aos crimes empresariais.

Essa analise é corroborada não apenas pelos casos acima, mas muitos outros como, Agrenco, Grupo Arantes, Cory, Petroforte e Vasp, apenas para citar alguns casos concretos.

Urge que essas questões críticas e vitais sejam corrigidas tempestivamente pelos órgãos responsáveis a fim de permitir o efetivo engajamento dos credores quirografários através de seu Comitê nos processos recuperatórios e falenciais, vez que as conseqüências econômico-sociais são as mais devastadoras possíveis.

Mormente nesse momento em que atravessamos a mais tenebrosa crise mundial da história, no qual a inação pode inviabilizar a recuperação da maioria das empresas, assim como de ativos daquelas em liquidação, em razão da impossibilidade de participação dos credores no processo pelos motivos acima elencados.

5. Considerações Finais

A natureza fundamental do salvamento de um negócio é econômica-administrativa-financeira e não jurídica. Se um negócio não é viável, não será a lei que irá salvá-lo. Da mesma sorte, ainda que viável seja, se a gestão da empresa não detiver a credibilidade necessária perante os credores e o mercado de uma forma geral, esta boa lei não irá salvá-lo. Apesar de possuidora de comprovada viabilidade e de uma administração competente com elevada credibilidade, além de uma boa estratégia e plano de recuperação bem concebido, se não executado em tempo hábil, ultrapassando o ponto de retorno, a empresa sucumbirá, independentemente da lei.

Em síntese, o novo diploma legal é bom e moderno, mas não é ele que está sendo colocado em prova com os primeiros casos de recuperação judicial, mas sim e especificamente a atuação e competência da governança e administração das empresas em dificuldades, do judiciário e de seus demais agentes, dos quais depende verdadeiramente o êxito do processo como um todo; a quem cabe deliberar com responsabilidade, experiência, conhecimento tácito e técnico, e lucidez a solução mais adequada a cada situação.

Os Juízes exercem um papel central no êxito ou fracasso do processo recuperatório – dependendo de sua atuação, negócios viáveis podem ser extintos enquanto outros inviáveis podem enveredar em um processo procrastinatório infindável, gerando grande destruição de valor em ambos os casos.

Alguns aspectos essenciais devem ser observados atentamente:

(i) as crises empresariais são causadas geralmente por problemas de má gestão, razão pela qual a significativa maioria dos casos de recuperação nos países desenvolvidos implica inevitavelmente na imediata substituição do comando – sobretudo quando detectada qualquer tipo de fraude, medida de extrema relevância para o avanço contínuo do processo de reabilitação, evitando assim retardamentos e retrocessos, que introduzem grandes perdas, insegurança e incerteza;

(ii) a viabilidade do negócio; e

(iii) transparência.

Além dos aspectos mencionados, deve-se atentar:

(iv) para o fato de que a lei concursal é apenas mais uma ferramenta disponível à empresa em dificuldades e não uma panacéia para a cura de todos os males;

(v) à celeridade do processo e cumprimento dos prazos, lembrando sempre que o processo degenerativo não fica estagnado, pelo contrário acelera-se exponencialmente e de forma avassaladora;

(vi) à qualidade do plano de recuperação judicial – em alguns casos têm-se observado a apresentação de planos visivelmente pífios, com baixo conteúdo e detalhe, deixando dúvidas quanto a sua fundamentação;

(vii) aos detalhes e consistência do plano de recuperação, que deve abranger primeiramente ajustes na governança, gerenciais, organizacionais, estratégicos, operacionais, estruturais, comerciais e tecnológicos; e

(viii) não olvidar que este ‘trabalho de casa’ constitui uma das pré-condições da reabilitação da empresa, sem o qual dificilmente será lograda a igualmente fundamental reestruturação de balanço e atração de novos recursos sob a forma de crédito ou capital para fomentar a atividade principal da empresa.

Resumidamente, em nível macro, a seqüência do plano é forçosamente a seguinte, também conhecida como by the book:

1º passo – nova gestão, confecção do plano incluindo estudo de viabilidade, exercício de valuation (cálculo do valor da empresa) e ajustes envolvendo o negócio e a operação; rápida apuração de eventuais fraudes.

2º passo – apoio dos fornecedores com retomada de prazos de pagamento e possíveis conversões de dívida;

3º passo – apoio dos credores, com créditos emergenciais e possíveis conversões;

4º passo – apoio dos funcionários;

5º passo – busca de recursos junto a novos players.

Muito dificilmente, os passos 2, 3 e 4 ocorrerão sem o cumprimento do 1º, da mesma forma que o 5º dificilmente será concretizado sem a ocorrência dos quatro anteriores.

A lógica é simples, se quem já está no risco empresa não confia na sua gestão ou no sucesso do plano a ponto de apoiá-lo, quem está fora do risco não terá a menor motivação para tal, nem mesmo com a mais bem concebida estrutura de captação ou de fundos de investimento.

Os casos iniciais mostram outros aspectos críticos para o êxito do processo:

(i) a consciência do Juízo quanto à necessidade da correta escolha do administrador judicial, devidamente dotado das qualificações e experiência exigidas – que sua função precípua é bem mais abrangente que a do comissário e síndico na antiga lei, mormente considerando que atua dentro da empresa e necessita ampla vivência em gestão, finanças, controle e operações em situações de crise;

(ii) a atenção a eventuais fraudes e crimes financeiros.

A operação dos primeiros cinco anos da lei forneceram valiosíssimos subsídios para correção de rumo. As perspectivas para a preservação dos negócios viáveis são favoráveis, porém condicionadas a importantes desenvolvimentos e lições ainda não assimiladas:

(i) aumento da consciência preventiva por parte da empresa e credores;

(ii) acionamento mais cedo e em tempo hábil das medidas de correção de rumo, nos primeiros sinais de alerta – fato que permite conduzir uma reestruturação não judicial, cuja probabilidade de êxito é bem superior, além de mais célere, com menos traumas e desgastes, custos infinitamente menores, menores riscos – sem as incertezas e delongas impostas por uma recuperação judicial;

(iii) maior transparência e celeridade;

(iv) maior envolvimento por parte das instituições financeiras e credores de uma forma geral, uma vez que possuem o expertise que os permitem identificar mais cedo os indícios de dificuldades, além de terem um papel vital a desempenhar como agentes de mudanças – solicitando que sejam feitos check ups periódicos por empresas especializadas;

(v) aparelhamento e atuação do Judiciário – criação de varas especializadas, intercâmbio de informações, treinamento contínuo;

(vi) formação de quadros de profissionais especializados em recuperação de empresas pelo Judiciário – com a vocação e experiência exigidas, além da certificação para aumentar o grau de segurança, pois geralmente não há segunda chance em casos de gestão de crise;

(vii) formação de quadros de administradores judiciais com o perfil alinhado espírito e ditames introduzidos pela nova lei;

(viii) ajustes na legislação para permitir o funcionamento eficaz do Comitê de Credores Quirografários;

(ix) aumento do numero de recuperações não judiciais e extrajudiciais;

(x) maior conscientização por parte da empresa e credores quanto a necessidade de contratação de especialista em recuperação de empresas – em tempo hábil;

(xi) gradativa redução da cultura de conflitos migrando para maior consciência do principio da interdependência;

(xii) desenvolvimento do mercado secundário de dívida;

(xiii) desenvolvimento de fundos de investimentos especializados em empresas em dificuldade, porém viáveis;
(xiv) aperfeiçoamento da lei e desenvolvimento de legislação dispondo sobre a recuperação de empresas envolvendo múltiplas jurisdições.

O processo de aperfeiçoamento da aplicação da nova lei deve ser conduzido através de iniciativas proativas por parte do Judiciário, bancos, fundos de investimento e empresas, o que sem dúvida contribuirá para o desenvolvimento econômico e o bem estar social, atraindo novos investimentos e reduzindo o risco financeiro e o spread bancário.

_________________
Jorge Queiroz
Gestor de crises e expert em recuperação de empresas. Presidente do Instituto Brasileiro de Gestão e Turnaround – IBGT; membro fundador do International Insolvency Institute; Representante da Federação Internacional de Entidades de Insolvência – Insol International

Migalhas – 01.04.2010

Os principais bancos nos Estados Unidos podem ter mascarado seus níveis de risco nos últimos cinco trimestres, baixando temporariamente suas dívidas pouco antes de divulgarem seus resultados, de acordo como Federal Reserve de Nova York. A informação foi divulgada na edição de ontem do Wall Street Journal. O grupo que teria adotado a prática é formado por 18 bancos, entre eles Goldman Sachs, Morgan Stanley, JP Morgan Chase, Bank of America e Citigroup.

O jornal sugereque a prática é um sintoma da crise de 2008, que trouxe à tona altos níveis de dívida e risco dos bancos. Agora, no processo de recuperação do país, a preocupação é de que um banco exibindo alto risco possa ver seu rating sendo prejudicado. “Os bancos, que divulgam publicamente os dados sobre dívida no final de cada trimestre, voltam a aumentar o nível da dívida no meio do trimestre”, disse o Wall Street Journal.

“Um banco quer que sua alavancagem pareça melhor ao fim decada trimestre do que foi realmente ao longo dos três meses, para sugerir que ele está tomando menos risco”, disse William Tanona, ex-analista do Goldman Sachs e atual chefe de pesquisa da Collins Stewart, ao Wall Street Journal.

Segundo o jornal, não há, na verdade, nada de ilegal com a prática, embora isso queira dizer que na maior parte do tempo os investidores continuam a ter pouca noção dos riscos que qualquer banco esteja tomando.

OESP – 10.04.2010

Agora que a Securities and Exchange Commission (SEC) acusou a Morgan Keegan de supervalorizar fraudulentamente títulos hipotecários de alto risco ( “subprime” ) em vários de seus fundos de investimento, há um ator importante nessa saga que ainda não deu um pio.

Trata-se da PricewaterhouseCoopers (PwC), uma das quatro grandes firmas de auditoria que abençoou as demonstrações financeiras dos fundos referentes ao ano fiscal de 2007. O engraçado é que, ao menos oficialmente, a PwC continua firme em sua posição de que nada havia de errado com os números dos fundos. Isso é muito mais difícil de acreditar, agora, do que poderia ter sido antes da semana retrasada.

A SEC não foi a única agência reguladora que apresentou uma denúncia acusando a Morgan Keegan de enganar investidores. O mesmo fez a Financial Industry Regulatory Authority, cujas alegações centraram-se nos materiais de marketing e de venda dos fundos. O mesmo também fizeram agências reguladoras de valores mobiliários nos Estados do Alabama, Kentucky, Mississippi e Carolina do Sul, que, juntas, estimaram em cerca de US$ 2 bilhões o total de prejuízos dos investidores.

Até agora, a PwC ainda não retirou sua chancela de quaisquer de seus pareceres de auditoria para 2007 sobre a contabilidade dos fundos. Um porta-voz da PwC, Steven Silber, não quis comentar. Os fundos, não estão mais sob gestão da Morgan Keegan, que cancelou seu contrato com a PwC em 2008.

As acusações da SEC, que também citam um ex e um atual funcionário da Morgan Keegan como réus, enfocam cinco fundos cujos valores despencaram depois que a crise das hipotecas ganhou força em 2007. Em um caso, os fatos descritos pela SEC sugerem que a PwC pode ter perdido uma possível oportunidade de identificar a suposta fraude durante seu trabalho de auditoria de fim de ano.

Entre outras coisas, a acusação da SEC diz que o gestor da carteira do fundo manipulou cotações que obteve de pelo menos uma corretora não identificada, ao mensurar o valor dos títulos em poder do fundo. Por vezes, o gestor persuadiu um funcionário da corretora a fornecer cotações que superavam os valores dos títulos. Outras vezes, ele conseguiu que o funcionário se certificasse de que sua firma se absteria de fornecer cotações inferiores aos valores inscritos na contabilidade dos fundos, disse a SEC.

Um episódio em que a acusação da SEC menciona o auditor externo dos fundos ocorreu em 30 de março de 2007, último dia de negócios no ano fiscal para a maioria dos fundos. Segundo a denúncia, o auditor solicitou da corretora cotações de uma série de títulos nas carteiras dos fundos para a auditoria final do ano, inclusive de uma obrigação de dívida colateralizada chamada Knollwood. A corretora respondeu enviando as cotações um mês depois, mas não forneceu a cotação da Knollwood.

“Em consequência, o título Knollwood continuou a ser mantido em US$ 92, um preço superior a seu valor justo, no item valor patrimonial”, disse a SEC. O valor patrimonial é o número que mais interessa a investidores em fundos. A cadeia de eventos, conforme descrita pela SEC, sugere que a PwC pode não ter cumprido seu dever de dar seguimento à solicitação de informações, deixando de questionar a ausência da cotação dos títulos Knollwood.

Sabe-se lá por que a PwC não se absteve de chancelar os pareceres de auditoria dos fundos para o ano fiscal de 2007. O dever dos auditores é firmar cartas de opinião favorável apenas se obtiverem um “elevado nível de segurança” de que as demonstrações financeiras de um cliente estão apresentadas de forma imparcial, isso é o que dizem as normas de auditoria americanas. É difícil imaginar como a PwC pode sentir-se tão confiante, hoje, considerando que a SEC recém acusou seu ex-cliente de fraude contábil.

Talvez a PwC esteja aguardando o resultado final do processo iniciado pela SEC, que pode levar anos até um desfecho. Embora a SEC não tenha citado a PwC como ré, a empresa é alvo de uma ação legal iniciada por investidores no fundo. Assim, a PwC tem evidente interesse em evitar reconhecer que alguma das conclusões de suas auditorias possa estar errada.

A Morgan Keegan, corretora controlada pela Regions Financial, negou as acusações das agências competentes, assim como as pessoas citadas como réus nas denúncias. Em carta de 12 de abril aos clientes, John Carson, executivo-chefe, disse que a companhia “contestará a posição da SEC, porque acreditamos que os fundos foram geridos de acordo com o prospecto e as leis aplicáveis”.

Essa não é a primeira ação desse tipo iniciada pela SEC envolvendo um cliente da PwC. Em 2006, a SEC acusou um ex-sócio da PwC, Lawrence Stoler, de má conduta profissional por seu papel na aprovação de resultados falsificados por três fundos de hedge sob gestão da Lipper Holdings. Stoler, que não admitiu nem negou as alegações, aceitou, perante a comissão, permanecer impedido de atuar durante um ano. Edward Strafaci, gerente de portfólio de Lipper, foi condenado a seis anos de prisão.

Auditores logo tentaram vender a ideia de que não se pode esperar que eles detectem fraudes. Essa ideia nunca foi aceita pelo público em geral. Afinal, se os auditores não conseguem detectar fraudes, para que servem? Segundo as normas de auditoria nos EUA, o trabalho do auditor é certificar-se de que “as demonstrações financeiras estão isentas de distorções importantes, quer causadas por erro ou por fraude”. Em outras palavras, eles pelo menos têm de tentar.

Ou, como o influente contador britânico Lawrence Dicksee escreveu em seu livro de 1892, “Auditing”, um dos primeiros manuais sobre o assunto: “O auditor que é capaz de detectar fraudes é – tudo o mais mantido constante – um homem melhor do que o auditor incapaz de fazê-lo”. Dele não discordariam os investidores que perderam dinheiro nos fundos de investimento da Morgan Keegan. Pena que os auditores atuais não tenham lido seu livro.

Jonathan Weil, Bloomberg, de Nova York
As opiniões expressas neste artigo são pessoais.

Valor Economico, 19.04.2010

Quase um ano e meio depois de pedir recuperação judicial, o frigorífico Quatro Marcos, com sede em Mato Grosso, obteve aval de seus credores para uma reestruturação que tem por objetivo devolvê-lo a uma posição de destaque no mercado de carne bovina, de onde despencou, endividado e com a imagem arranhada, no início de 2009.

Até então, o frigorífico controlado pelo empresário Douglas Xavier tentava se firmar entre os grandes grupos da área, como JBS, Marfrig e Minerva. Após faturar quase R$ 1 bilhão em 2007, o Quatro Marcos chegou a anunciar, em meados de 2008, uma fusão com o concorrente Margen e a criação de uma nova companhia (Uni Alimentos) com potencial para faturar R$ 2,5 bilhões por ano.

Desentendimentos entre as partes enterraram a fusão em uma semana, e a crise financeira que eclodiu logo depois, em setembro de 2008, precipitou o debacle de ambos. Alavancados e sem crédito, Quatro Marcos e Margen pediram recuperação judicial e, em um capítulo seguinte, arrendaram unidades para manter algum fluxo de caixa e tentar estancar seus passivos.

Finalmente aprovada por 72,5% dos credores, a reestruturação do Quatro Marcos envolve R$ 500 milhões e prevê a venda de unidades produtivas para garantir e acelerar o processo. Se tudo der certo, a ideia é voltar a ganhar peso no segmento, inclusive na exportação, ainda que seja grande a possibilidade de o frigorífico ser vendido agora que o plano de recuperação foi aprovado.

“A primeira coisa era fazer a empresa parar de sangrar, o que conseguimos com o arrendamento de plantas para a JBS. O Quatro Marcos não chegou a parar, mas seu faturamento caiu a 10% do que havia sido. Agora, conseguimos aprovar um plano de recuperação simples, quase um plano de pagamentos, e o frigorífico voltou a crescer novamente”, diz o advogado Charles Isidoro Gruenberg, do escritório Leite, Tosto e Barros, com sede em São Paulo.

O plano de recuperação aprovado prevê que os pecuaristas receberão seus créditos, que no total somam R$ 35,7 milhões, em até 12 parcelas mensais consecutivas. Gruenberg também informa que um grupo de credores de um contrato de pré-pagamento de exportação – formado majoritariamente por bancos e que aportou US$ 125 milhões na companhia, com todas as garantias – concordou em conceder um deságio de 68% e receberá US$ 40 milhões.

O pagamento dos credores quirografários será feito também em 12 parcelas, mas semestrais. Diferentemente dos pecuaristas, que começarão a ser pagos neste mês, os credores quirografários começarão a receber a partir de 31 de março de 2013. Já os credores trabalhistas receberão em até 12 meses, com o primeiro pagamento previsto para os próximos dias.

Isto posto, é hora de correr atrás dos recursos. No plano aprovado, o Quatro Marcos se comprometeu a vender duas unidades em até nove meses. Uma delas fica em Vila Rica, extremo norte do Mato Grosso, e está sendo operada pelo próprio frigorífico. A outra é em Cuiabá, capital mato-grossense, e está arrendada à JBS, com opção de compra. Muito em função disso, a JBS aparece como um caminho quase natural para a aquisição da planta cuiabana.

Na crise, e para “parar de sangrar”, o Quatro Marcos arrendou cinco unidades para a JBS, mas apenas duas – a de Cuiabá e a de São José dos Quatro Marcos, berço mato-grossense da companhia – eram próprias. As demais eram arrendadas. No auge, o Quatro Marcos chegou a operar 12 plantas.

Uma vez concretizada a venda da unidade de Vila Rica, o Quatro Marcos pretende concentrar as operações na unidade de Quirinópolis, sul de Goiás, que também está operando sob sua responsabilidade, mesma situação do entreposto de distribuição de Jandira, no interior de São Paulo.

Conforme Charles Gruenberg, as plantas de Vila Rica e Quirinópolis geram atualmente cerca de mil empregos diretos e 4 mil indiretos e o abate conjunto de bovinos está em torno de mil cabeças por dia. “O abate subiu 50% na semana posterior à aprovação da reestruturação. Em abril a empresa já deverá encontrar seu ponto de equilíbrio”, acredita o advogado.

Se a venda das duas unidades render US$ 40 milhões, a dívida com os credores do contrato de pré-pagamento de exportação será quitada. Se gerar entre US$ 25 milhões e US$ 40 milhões, a diferença – até os US$ 40 milhões – poderá ser refinanciada e paga em três anos, com carência de 18 meses.

Ainda que admita que existe a possibilidade de o Quatro Marcos ser vendido para um de seus concorrentes maiores que continuam em busca de oportunidades de expansão, Gruenberg afirma que não há nenhuma negociação concreta nesse sentido em curso.

Sendo assim, ele prefere projetar no horizonte a imagem de um Quatro Marcos novamente forte, o que poderá acontecer, em seus cálculos, em quatro anos. “É um plano exequível. A empresa tem de cumprir o plano de recuperação e reconquistar a confiança do mercado.

Valor Economico – 15.04.2010